terça-feira, 8 de junho de 2010

Veículos ridículos II


Se é para ter um veículo, que seja um que imponha um mínimo de respeito. Ou ao menos que seja identificado como um meio de transporte de fato. Hoje em dia, existe todo tipo de veículo escroto nas ruas da cidade e nem sequer é possível entender como funcionam ou para que servem exatamente. Por exemplo, alguém sabe me dizer o que, em nome da foda, é essa coisa aí embaixo?






É como se uma lambreta tivesse dado para uma caminhonete e o filho nascesse anão. Não sei bem em que categoria se pode alocar um veículo assim, porque não cheguei a perceber claramente para que serve esse troço. Talvez seja apenas uma motocicleta com rodinhas, para quem ainda está aprendendo e precisa de um grande bagageiro, certamente para acomodar toda a humilhação que já não cabe mais no coração do motorista. Ia observar que não existem portas, o que já testemunha contra a segurança do veículo mas, por outro lado, quem ia querer roubar uma bosta dessas? A única vantagem parece estar na hora de fazer a manobra ao estacionar, já que a parte frontal praticamente não existe. É claro que, em caso de acidente, a fé no divino é a única coisa que permanece entre o motorista e uma morte horrenda despedaçado sobre o capô do veículo da frente.
Mas ao menos estamos falando aqui de uma aberração da natureza. Um ser nascido da união impura entre duas espécies diferentes e não-tementes à Deus, despreocupadas que sua prole pudesse, um dia, horrorizar os transeuntes e outros carros. A culpa é dos pais, não da criança.
Mas o que dizer dessa besteirinha lá no fundo da foto?







Não, sério. Que porra é essa? Quem foi que roubou a dignidade desse carro e depois o obrigou a exibir sua desonra pelas ruas de Setúbal? E, mais importante, quem em sã consciência sai por aí dirigindo um veículo desses? Será que é para as pessoas terem pena e darem passagem no engarrafamento? Vai ver é alguém que não agüenta mais a falta de estacionamento no Recife e resolveu radicalizar, adquirindo um veículo de bolso. Você acha cútchi-cúcthi? Eu não.  Eu acho que é coisa de tabarel. Claro que essa é apenas uma das formas de se interpretar a coisa. Já foi dito que o tamanho do carro é inversamente proporcional à genitália de quem o dirige. Se for este o caso, esse motorista possui um membro de proporções bíblicas, provavelmente ocupando todo o banco do passageiro. Deus me defenda de pegar uma carona com ele.
E é por essas e outras que prefiro ficar com minha velha bike. Está caindo aos pedaços e sua presença certamente ofende o senso de estética alheio.
Mas é uma bicicleta de verdade.

5 comentários:

  1. ...e o pior é que uma besteirinha dessas(a do fundo da última foto) deve valer uma bela grana. Tem gente que paga mais caro pra ter uma coisa diferente, que ninguém tem. Ridículo!

    ResponderExcluir
  2. :D
    Brasileiros! Acho que esse é um negócio bem européio (ainda?). Esse Smart é da Mercedes Benz e lembro bem de que no começo da presença nas ruas desse véiculo (faz alguns 10 anos já) tudo mundo achou-o ridículo.. Mas.. vai passar! Não sei se tiver jeito quanto à problemas com o estacionamento no Recife - coisa que sempre vai ficar bem mais complicada e diferente, mas.. aqui até faz sentido :D
    Eu prefereria um carro pra poder transportar um cavalo :D mas... como disse.. quanto as possibilidades de estacionar um carro tão pequeno na cidade aqui até tem vantagens - as vezes :)

    P.S: Só fiz um comentário porque...: È um pobre carrinho, pelo menos ALGUEM tem de defender-lo :)

    ResponderExcluir
  3. Aindo prefiro minha bike. Se é pra gastar muito e ter um carro, é melhor comprar um que tenha, pelo menos, um porta-malas decente.

    Ass: Mauro, o ainda rei da galhofa.

    ResponderExcluir
  4. eu acho os dois carros enraçadinhos hihihihihi
    e vcs todos beeem chatinhos =D

    Evinha

    ResponderExcluir
  5. kkkkkkkkkkkkk

    Faz sentido

    Danielli

    ResponderExcluir

Vai, danado, reclama!