segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Pobreza e auto-imagem, parte I

A coisa não está fácil para ninguém e todos querem ter uma vida melhor. Isso nem sempre é possível, por mais que a gente se mate de estudar e trabalhar. Crise financeira mundial, recessão, baixos salários, jogos de azar, vício em drogas das mais variadas espécies e contribuições financeiras a alguma seita religiosa de origem suspeita. Tudo isso contribui para dilapidar sua renda e, no final das contas, a probabilidade de você ser pobre é muito maior do que o contrário. E às vezes você simplesmente deu azar na loteria da vida e nasceu liso mesmo. Então você se pergunta “Fazer o quê? A culpa não é minha se nasci na merda e já comecei a corrida em desvantagem”. Verdade. Mas também não é preciso se comportar como um fudido. 


 Para algumas pessoas isso é quase impossível.


Sejamos francos: pobre, a gente identifica de longe. Não é somente a falta de grana, a verdade é que tem gente que realmente possui talento para a coisa. Pessoas que, mesmo depois de melhorar de vida, carregam dentro de si os hábitos do seu passado indigente, tendo praticamente tatuado a palavra “mundiça” na testa. 



 Ás vezes, é difícil disfarçar.



O Blog da Reclamação, sempre visando dar uma mãozinha aos seus leitores, resolveu elaborar uma guia para aqueles que querem mudar de vida. Não, não vamos dar dicas financeiras nem doar cesta básica a ninguém. Isso é função de Ana Maria Braga e do governo, respectivamente. O que pretendemos aqui é ajudar os leitores a se comportarem menos como pobretões desgraçados e ais como cidadãos razoavelmente bem posicionados socialmente, através de algumas simples e práticas mudanças de atitude. Você pode até continuar morando na sarjeta da periferia depois de ler esse post, mas ao menos deixará de ser imediatamente rotulado como um amundiçado infeliz, dando o primeiro passo para uma vida muito mais plena e classuda. 


Mude de nome.

Você não tem culpa por essa. Quem fez a cagada foram os seus pais, que achavam que estavam sendo originais te dando um nome exótico, quando na verdade escreveram “POBRE” na sua certidão de nascimento. A verdade é que dar aos rebentos nomes estranhos, estrangeiros ou exageradamente compostos é um dos comportamentos mais flagrantes da população economicamente prejudicada. Acredite em nós quando dizemos que batizar seu bebê de Wancisley ou Gleicykelly não vai trazer absolutamente nada de bom para o futuro dele, ao contrário. E não importa quantos Ks, Ws ou Ys você consiga enfiar no nome, nada disso fará com que seu filho ou filha seja menos escrotizado na hora da chamada escolar. Sim, existem pessoas famosas e ricas por aí com nomes ridículos, como Sandy Leah, por exemplo. Mas Sandy é famosa apesar do seu nome, não por causa dele. Além disso, a danada é bonita, talentosa e já nasceu em berço de ouro. O que não é o seu caso. E não pensem que é puro e simples preconceito. Faça o teste. Se lhe entregassem um papel com dois nomes, Cristiana Oliveira e Craudivânia Janne da Silva e dissessem que uma deles é a diretora de uma empresa multinacional e a outra é a faxineira do turno da noite, quais nomes você associaria a esses cargos? Pois é. É instinto mesmo. Se seus progenitores, por ignorância, sintoma de pobreza ou pura vontade de te sacanear, te deram um nome desse calibre, o melhor que você pode fazer é mudar para um clássico Pedro ou Maria da vida. Original não é, mas evita que você passe o resto da vida sendo conhecido por algum apelido e rezando para que ninguém nunca ponha a mão em qualquer documento seu. E mudar de nome nem é tão difícil assim, basta provar que você sofre assédio moral e angústia mental diariamente por causa dele. O que, convenhamos, é o que certamente acontece caso você se chame Bucetilda ou Jorgeuoxinton Henrique. O juiz vai acabar acatando seu pedido, assim que terminar de apontar para sua identidade e rir da sua cara.


Use seu celular de forma apropriada.

O celular é um aparelho que serve para fazer com que duas pessoas consigam se comunicar a distância. E só. Falar alto ao telefone, rir escandalosamente, gritar, discutir, xingar a mãe e passar duas horas no bônus da OI falando mal da vaca da vizinha é coisa de gente pobre. O mundo ao seu redor não precisa (e provavelmente não está interessado em) conhecer os sintomas da diarreia da sua avó, o último chifre que você levou do seu marido ou os detalhes daquele gol que você quase fez na pelada dominical no terreno baldio ao lado do bar de Dona Mema. Da mesma forma, ficar assistindo o programa de Cardinot na TV do seu telefone portátil, comprado em 317 prestações, é praticamente um atestado de mendigo, principalmente se você está no ônibus e o volume está no máximo. Use fones de ouvido, especialmente na hora de ouvir o seu brega, axé ou pagode, estilos musicais que por si só já te jogam na sarjeta da vida, mas você também não precisa esfregar esse fato na cara dos transeuntes na estação do metrô. Na dúvida, adquira um celular simples e o utilize apenas em sua função original: fazer e receber chamadas.


 Continua...



9 comentários:

  1. Fred.. essa foi ótima.. ninguém merece um celular no buzão com certas músicas , sem fones de ouvido.. Putz ter que utilizar transporte público na região metropolitana da nossa tão querida cidade por si só já é triste, integração nem se fala.. ainda um celular competindo com as músicas do rádio do ônibus e pedir para morrer e não caminho do céu , claro rezar para na próxima vida voltar rica kkkkkkk

    ResponderExcluir
  2. muito bom... gosto desses textos mais ousados...
    hehehhe

    abraço

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Ô danado, vc não vai dar uma de doido e esculhambar com o sobrenome SILVA, né?

    ResponderExcluir
  5. Comentário 1: Essa foto do pobre tomando banho de caixa d'água é crássica.

    Comentário 2: "Ana Maria Braga e do governo, respectivamente" HAHAHAAHAHAHAHAHA!

    Comentário 3: Sandy tem esse nome porque os pais dela, apesar de serem ricos hoje, nunca abandonaram as suas raízes. E o irmão dela nem usa o nome de pobre dele, prefere se esconder no "Júnior".

    ResponderExcluir
  6. Hoje caí na gargalhada quando entrei no busão e vi 2 caras com mini caixinhas de som tocando funk...e os caras sem entender!E eu não conseguia parar de rir.
    Não preciso nem comentar que adorei o texto.
    :****
    :D

    ResponderExcluir
  7. Cara, de longe, a melhor série de posts deste blog!

    Pobreza de espírito é uma merda mesmo. Tô contigo!

    ResponderExcluir
  8. eu adorei o post e realmente a melhor parte é a de Ana Maria Braga e o governo, respectivamente.
    Saudade de tu!
    :***

    ResponderExcluir
  9. Bom dia estou mais um vez aqui pra fazer um reclamaçao,pois uma barreira aqui no ibura caiu,por falta de atençao da compesa,ele deixarao um cano descoberto em cima de barreira da minha casa.O pior veio quando a barreira caiu e destruiu tudo na minha casa,até hoje eles nao se responsabilisou com o acontecido em minha casa,isso aconteceu no dia 03 11 2011,veja o tempo que ja passou e eles nao dao noticias....veja a planca...

    ResponderExcluir

Vai, danado, reclama!