sábado, 1 de maio de 2010

Madrugada dos cães




Esse na foto aí de cima é o cachorro Pretinho.
Pretinho é um poodle alegre e serelepe. Seria até bastante feliz, não tivesse sua existência marcada por alguns pequenos problemas de saúde, sendo eles:
- Calvície crônica
- Artrite nas patas dianteiras
- Artrite nas patas traseiras
- Mal de Parkinson
- Falta de rabo
- Perda de dentes
- Glaucoma no olho direito
- Cegueira no olho esquerdo
- Flatulência incontrolável
- Câncer de próstata
- Testículos inoperantes
- Impotência permanente
- Morte         
Embora a inclusão do último item possa, à primeira vista, tornar os outros um tanto redundantes, a verdade é que Pretinho é um lutador. Ainda que clinicamente morto há, pelo menos, uns 15 anos, continua apegado à sua existência terrena. Ou, melhor dizendo, Pretinho continua existindo graças à teimosia do seu dono, aqui referenciado apenas como “O maluco do primeiro andar”. Sempre que o animal retorna, trêmulo, dos passeios diários sob o forte sol do Recife aos quais seu dono o submete, começam os latidos melancólicos:
- AAAUUUUHHHIIIIIIEEEEEEUUUUUAAAARRGGHHHH!
Eu, com os ouvidos bem treinados por meses de convivência forçada com o cachorro desmorto, já consigo interpretar suas lamentações caninas com um razoável grau de de precisão. Traduzindo para a linguagem humana, a lamúria de Pretinho fica mais ou menos assim:
- Morte, MORTE! Me leva logo, cacete! Essa merda já deu o que tinha que dar, porra!
Impedido de morrer de forma apropriada, Pretinho não deixa mais ninguém viver em paz. Passa seus dias tremendo, lançando olhares esperançosos para os moleques maldosos da rua, deixando para trás tufos de pêlos e pedacinhos de dignidade, peidando na porta dos vizinhos resignados e chamando aquela que insiste em ignorá-lo. Preso entre dois planos de existência, o cão zumbi nega às pessoas ao seu redor o descanso que não consegue alcançar no seu dia-a-dia.
E assim, as pessoas seguem vivendo, Pretinho segue morrendo e a tranqüilidade jamais visita essa pequena rua esquecida por Deus e pela Morte na cidade do Recife. E se, ao passar pelo calmo bairro de Setúbal, você acabar cruzando com um simpático cachorrinho zumbi, não se preocupe.
Ele não quer o seu cérebro. Quer apenas carinho, atenção e um tiro na cabeça.

6 comentários:

  1. Qual a idade do bicho? Uns 55 anos? Rendia um bom curta de terror... O roteiro tá aí em cima.

    ResponderExcluir
  2. Coitado de Pretinho...vc não tem coração? :P

    ResponderExcluir
  3. dra_dolittle :´(1 de maio de 2010 21:03

    Poxa, isso é deprimente e revoltante...
    :~~~~~~~~~~~~

    ResponderExcluir
  4. Pretinho, eu te amo!

    Assinado:
    Mauro, a pretinha rainha da galhofa.

    ResponderExcluir
  5. PUTAMERDA!
    não durmo mais hoje depois de ver essa foto...

    ResponderExcluir
  6. Ontem quando tava te esperando descer eu vi Pretinho e o dono saindo pra caminhar e voltando...

    Ele parecia até bem disposto.

    Tu pediu ao dono autorização pra tirar essa foto, foi? Pq o cachorro tá até fazendo pose. Tu certamente não tinha dito que era pra fazer um post sobre ele, né? Qual foi a desculpa que tu usou?!

    ResponderExcluir

Vai, danado, reclama!